10/01/2013

Terapias Expressivas: workshop de Clown

(fotografias por Fred Gomes)

É natural que haja confusão quando digo de faço cursos de Clown. 

Em primeiro lugar, existe a própria tradução "defeituosa" da palavra para português. Palhaço soa a algo depreciativo, é uma palavra muito estigmatizada e desliga-se da arte pelo preconceito, por ser uma forma de ofensa. Clown é relativo a algo mais real, mais próprio da pessoa, mais suave e delicado. É a condição mais inocente de cada um, associado à criança e ao íntimo mais puro.

No nosso mundo carregado de regras é muitas vezes complicado e difícil distanciarmo-nos do "socialmente aceite" ou daquilo que é suposto fazer. Desta forma, temos receio de assumir certas atitudes que nos podem dar uma imagem passível de julgamento negativo. "Fazer palhaçadas ou figuras tristes"? Se puder evitar... Durante o curso de Clown temos a oportunidade de aceder ao universo mais sincero da criança que existe dentro de cada um de nós, à sua simplicidade, honestidade e sem as restrições sociais que estamos habituados a seguir.

No passado dia 1 de Setembro de 2012 fui convidada pelo Leo Clube da Senhora da Hora por ocasião das Jornadas da Juventude para fazer um workshop de Clown. O que primariamente me sugeriu alguma preocupação pelo tamanho do grupo e por achar que poderiam não participar duma maneira activa, foi rapidamente ultrapassado pela vontade de inovar, sentir, agir. 











Este workshop foi apenas uma introdução, mas conseguimos ter umas noções de humor como terapia e do poder do nariz vermelho enquanto a máscara mais pequena do Mundo. Obrigada a todos os participantes pela atitude positiva e pela vontade de mudar consciências!

Sem comentários:

Enviar um comentário