14/03/2013

Terapias Expressivas: a Psicologia Positiva

Um movimento recente na Ciência do Comportamento, a Psicologia Positiva apresenta-se como uma visão diferente, mais aberta e embrenhada de confiança.

Na maioria das vezes, temos tendência para sermos pessimistas. Poderia dizer que é um factor exclusivamente português, mas a verdade é que é uma condição geral do ser humano. Somos puxados por uma vertente sempre negativa das coisas e esperamos o pior das situações. De facto, a realidade económica, história e social está cada vez mais complexa, incerta e imprevisível e a predisposição é que valorizemos as características mais técnicas e funcionais do ser humano. Seguindo o mesmo caminho, a psicologia sempre foi associada à cura ou alívio das doenças mentais, com um carácter muito pessimista.

A Psicologia Positiva vem contrariar esta inclinação, já que se centra na apreciação do potencial humano, nas motivações e capacidades das pessoas para combater a desorientação, o desalento da crise económica, de valores e de identidades. Numa época em que a depressão foi considerada a doença do século XXI pela Organização Mundial de Saúde, este ramo da psicologia vem como proposta para a procura de soluções, para saber o que é preciso para nos sentirmos bem e sermos felizes. A corrente Humanista representada por psicólogos como Abraham Maslow e Carl Rogers já apresentava algumas teorias e práticas que envolviam a felicidade humana. No entanto, foi na última década do século XX que surgiu esta trajectória, nos Estados Unidos. 

O nome é questionável, já que propõe que também existe uma Psicologia Negativa. Além disso, pode recorrer a um âmbito de auto-ajuda, por vezes conotado negativamente pelo temperamento esotérico, resultando na emergência de cursos, livros e "seitas" com respostas milagrosas para causas impossíveis. Desta forma, é importante que se faça a distinção entre os temas, sem que o optimismo seja desvalorizado.

A Psicologia Positiva defende, então, o foco na força de emoções, cognições e relações, assim como virtudes como a sabedoria, a coragem, a humanidade, a justiça e a transcendência. Estas forças e virtudes fazem com que o indivíduo tenha uma vantagem na superação de obstáculos e na lida com adversidades. As emoções positivas como a alegria, o optimismo e a esperança fortalecem os recursos intelectuais, físicos e sociais e o cultivo destas emoções promove uma disposição mental expansiva, tolerante e criativa, facilitando a abertura a novas ideias e experiências. Uma presença extrovertida também propicia a construção de relacionamentos e grupos de apoio, a criação de vínculos felizes e benéficos para o indivíduo.

A saúde é mais do que a ausência da doença. Assim, é preciso prevenir para não remediar, e transmitir esta mentalidade na escola, através do ensino positivo de potencialidades como a confiança, a auto-estima, a realização, a felicidade, a bondade, a felicidade e a satisfação pessoal, para além das conquistas académicas e do sucesso escolar. Ainda que não seja todos os dias fácil e natural, é preciso sorrir à vida para que ela nos sorria de volta.

2 comentários:

  1. Muito bom este post :) A minha tese é à base da Psicologia Positiva, fiquei muito contente ao ler isto <3

    Beijinhos

    ResponderEliminar