09/07/2013

Remédios Caseiros: o Pedro Queirós


Gosto sempre de mudar o ditado e dizer: "Por trás de uma grande mulher, existe sempre um grande homem."

O seu nome é Pedro, tem 41 anos e é o que eu chamo cuidadosamente de "excelentíssimo marido" ou "maridão". Não foi fácil ceder à minha vontade de o entrevistar, mas, numa altura em que o calor assolapou a vida de toda a gente, foi o Pedro que decidiu falar um pouco sobre si, coisa que admite lhe causar algum embaraço e nervosismo.

Nasceu numa família carregada de costumes e tradicionalismos ligados à religião, um protótipo daquilo que é clássico e conservador, secular no sentido do homem ser o centro da casa. Foi cedo que aprendeu a contrariar essas vontades duma forma calada, paciente e tolerante, aceitando as diferenças que apreciava conhecer nos outros e a aproveitar o valor das coisas simples.

Frequentou 4 anos e meio do curso de Economia da Faculdade de Economia do Porto, uma fase que revela ter sido menos produtiva ou orientada na sua vida, por não ter chegado a concluir a licenciatura. Foi a época que lhe deu também amadurecimento enquanto pessoa, em que evoluiu no raciocínio, mas também na sua forma de estar e de lidar com as pessoas.Ainda assim, passou por um período conturbado em que lutava contra os seus próprios preconceitos de nunca ter acabado o curso e ter amigos licenciados, que resultou no afastamento de algumas pessoas que até gostava, considerando ainda agora como principais amigos aqueles que angariou antes da faculdade, nos tempos da Escola Secundária.

O Pedro é um trabalhador fervoroso, apesar de não se sentir um líder, retraindo-se quando é para comandar tropas e provocar mudanças. Porém, considera-se um bom braço direito (ou esquerdo, tendo em conta que é canhoto) e gosta de secundar líderes, referindo que foi isso que o atraiu em Economia. De certa forma, pensava que o seu curso era para ajudar a dar dados necessários, estudos sobre a realidade para que os colegas de Gestão pudessem tomar decisões.

Hoje em dia trabalha no mesmo sítio há 15 anos, no ramo transitário, e dedica-se às burocracias com importação de mercadorias fora do espaço europeu, que transitam na via marítima ou aérea. Antes disso, esteve 2 anos a fazer estas mesmas tarefas limitadas à parte marítima, numa companhia de navegação que lhe surgiu na vida por mero acaso, numa altura em que procurava o seu lugar profissional. Depois, acabou por se mudar para a Transcinco, que era uma empresa jovem e em crescimento, onde o trabalho era diferente e mais próximo da economia real, achando que era algo que iria durar por pouco tempo. 15 anos depois, aprendeu a lidar com aquilo que tem de fazer e também adquiriu gosto por isso e o momento deixou-se ficar.

O Pedro prende-se nos mais pequenos detalhes que lhe interessam e que quase que se podem ir pescar à sua infância, fase em que gostava apenas de 3 brinquedos: os típicos "carrinhos" dos rapazes, os legos para as suas construções e o atlas que adoptou da sua família. Desta forma, era capaz de se entreter durante horas com a sua imaginação sem limites, a criar os seus mundos, localizando a acção no atlas, escolhendo os carros dos personagens e edificando as suas casas. Assim se representam também os seus principais interesses: pelo mercado automóvel, mas não necessariamente o modelo mais rápido ou potente, pela arquitectura e pelas viagens. Refere que o que o atrai mais quando viaja é ter a percepção da sociedade que visita, daquilo que a envolve, diferente da realidade que está habituado a viver, e que isso se comunica através das casas e dos carros que observa atentamente.


Desta maneira, ocupava-se com o Couchsurfing, onde recebia pessoas novas, de outras culturas e lugares sempre que podia, mesmo no sofá da sua casa. Com esta actividade, ele partilhava as suas vivências e o seu mundo, e era um embaixador português, especialmente portuense com muito orgulho na sua cidade. Recentemente abraçou também o Postcrossing, onde acaba também por conhecer pessoas, mas duma forma mais distante, através de cartas que escrevem apenas pelo prazer de escrever. Assim, consegue receber coisas pelo correio sem ser contas ou publicidade, e contacta com o mundo através dos seus postais.

A sua vertente solidária sempre o incentivou para fazer mais e melhor. Integrou o grupo do Lions Clube da Boavista, algo que perseguia há algum tempo e só agora teve oportunidade de fazer, pertencendo assim a uma associação não religiosa e na qual confia plenamente. Por outro lado, também se entrega totalmente ao Kiva, emprestando dinheiro que crê ser edificador de desejos e motivador de escolhas. Além disso, acredita veementemente na preservação do ambiente, na redução do consumo de recursos, na reciclagem e na reutilização, aplicando-se nisso duma forma decisiva e obstinada.

O Pedro é um homem recheado de paixões e carrega-as com a força que difunde no olhar. O Pedro é fiel e está sempre disponível ao lado de quem gosta, com a paciência e a tolerância do seu coração gigante. Mesmo que se mantenha calado, é assim que observa o mundo e as coisas que o arrebatam, como uma criança que absorve tudo pela primeira vez.

7 comentários:

  1. sabes quando vês alguém que nunca conheceste antes, e nem sabes muito sobre a pessoa, mas sabes e tens toda a certeza que é daquelas pessoas mesmo boas? O teu Pedro é assim :)

    gostei muito de ler a entrevista para poder saber mais sobre ele. soubeste escolher muito bem o maridão :p

    beijinhos aos dois!*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. obrigada querida! :) ele é mesmo assim. e eu não sou muito lamechas como ele é, mas sei que gosto mesmo muito dele, principalmente por ele ser pequenino como eu*

      Eliminar
  2. O Queiroz é daqueles amigos que relembro da FEP. Nao é por ter amigos que acabaram o curso que deixou de ser amigo... é verdade que nao nos encontramos. Mas já passamos muito , ja jantamos no pós faculdade e ele até foi a quase todas as exposiçoes do meu marido. Verdade é que quando se tem filhos pequenos o tempo disponivel muda, a rotina muda... nao se tem tempo pra nada! Quero reencontrar o meu velho amigo... quero mesmo. Aceitam o desafio?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então bora aí marcar um encontro.... deppios das ferias escolares dos meus pequenotes... lol... e fica desde ja agendado um convite para a exposiçao do meu marido ... que será em Outubro

      Eliminar
  3. Xiiiiiiiiiiiiiiii!! Se já antes estava rendida aos encantos e à capacidade de chegar ao fundo de cada entrevistado, agora então estou extasiada!!! parabéns, MUITOS PARABÉNS pela excelente entrevista!!!! O Pedro, que também é um bocadinho "meu", é mesmo assim!!
    A cunhada babada,
    Luísa

    ResponderEliminar