18/07/2013

Terapias Expressivas: a Motivação

Depois de falar aqui sobre dinheiro, importa saber, então, quais são as nossas motivações e como elas nos afectam.

Em primeiro lugar, existe a distinção básica entre Motivação Extrínseca e Intrínseca . É fácil: a primeira envolve factores externos ao indivíduo como o dinheiro e a segunda tem a ver com os factores internos, como a forma de ser da pessoa, os seus interesses e gostos.

A Motivação Extrínseca engloba a punição ou recompensa como um "combustível" de acção, em que as tarefas são executadas para se ser recompensado ou não castigado. Desta forma, representa um sistema básico de compensação muito inconstante, pois o indivíduo deixa de agir e de estar motivado se a remuneração se extinguir, já que não ganha ou perde nada se não executar a tarefa. Assim, a pessoa não gosta da tarefa, mas daquilo que pode obter ao executá-la, demonstrando aqui pouca satisfação e prazer de realização.

Por sua vez, a Motivação Intrínseca não necessita de recompensas, já que a tarefa em si mesma já é interessante para o sujeito, é algo que gosta e relacionado com a sua forma de ser. Assim sendo, é mais constante, pois depende apenas do sujeito, e não é uma obrigação para atingir um fim, representando um fim em si mesma. Este tipo de Motivação apresenta mais sucesso em contexto académico ou laboral, visto que a tarefa é realizada com significado, mas também é mais subjectiva, dependendo da perspectiva de cada um.

Um conselho a quem lida com pessoas que precisam de ser motivadas, como os pais, professores, patrões e líderes duma mais forma generalizada: optem por coisas que dizem respeito ao interior dos vossos receptores, aos seus fascínios, àquilo que realmente é importante para eles. Torna-se tudo mais fácil e eficaz!

Sem comentários:

Enviar um comentário