19/08/2013

A Música: Guilty Pleasures (III) - Avenida Brasil

(Adriana Esteves ou a Carminha © UOL)

Aqui me confesso. Tenho um enorme prazer secreto: ver novela.

Tudo tem a ver com os meus pais, mas principalmente com o meu pai. Tendo vivido 7 anos no Brasil, conheceu a minha mãe dias depois de ter voltado, casaram-se e eu nasci no ano seguinte. Ele tinha o sotaque gingado e ainda hoje trata a minha mãe por você, algo que herdou dos seus tempos brasileiros. Consequentemente, nós as duas conseguimos sempre perceber que ele esteve com algum brasileiro, pela sua conversa recheada de preciosismos tropicais, como o gerúndio constante e a dança das palavras, quase a cantar. Em jeito de brincadeira e com a minha veia humorística bem apurada, digo-lhe que "lá vem ele com o português como o Marco Paulo", naquela música tão conhecida, de Taras e Manias:

"E mexe, remexe, se encosta, se enrosca, se abre, se mostra, pra mim" (aqui)

Assim, lá em casa não ouvi músicas de criança. Por outro lado, sempre me foi incutida a música brasileira boa, com a bossanova a ganhar um lugar de destaque principal e os grandes senhores a ensinarem-me os primeiros passos de samba e chorinho. Da mesma forma, sempre vimos as novelas do outro lado do Atlântico. Gostávamos das narrativas, do sotaque açucarado e ficávamos continuamente com um sorriso nos lábios. Habituei-me a esses valores e, como forma de desligar do mundo, vejo a minha novela, todas as noites, sem vergonha nenhuma.

Já nem me lembro quando começou esta Avenida Brasil, que está agora nos últimos episódios. É tudo aquilo que esperamos ver numa destas histórias: tem romance, drama até dizer chega, intrigas mais que muitas e, agora no final, tudo a acabar como nós sempre quisemos. Se não acaba bem, então não é novela.

A música não é muito inspiradora. É até bastante pirosa. Mas há algumas que são melhores e que já ficaram no ouvido, com associação a certas personagens, captando o meu gosto instantaneamente. Entre elas, "Reza", Cadinho e as suas três mulheres (aqui), "Amiga da Minha Mulher" e a história da Olenka (aqui), "Infiltrado" e a raiva que só uma boa vilã como a Carminha nos consegue fazer (aqui) e a música da Nina e do Jorginho, "Depois" (aqui).

Fica a vontade que a próxima novela seja tão viciante quanto esta! :)

6 comentários:

  1. eu não tenho televisão em casa, mas vi esta todinha pela internet, tinha de ser :p e sim, algumas músicas são um amor! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não são? Uma delícia!... E esta novela é mesmo um vício!

      Eliminar
  2. ups... acabas de pôr a nu as nossas paixões "pirosas" :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ups!! :) Aposto que muita gente vai falar disto também ihih

      Eliminar
  3. Sem problemas filhota eu não me importo de ainda ter um sotaque e gerúndios. Quanto às novelas já gostei mais do que gosto agora. Amo-vos e quanto às músicas brasileiras é um campo rico com compositores que considero geniais e, neste momento, com cantoras femininas brilhantes. Eu sou fã (ainda) da grande Elis e agora da Ritinha (sua filha). Viva à música e à minha cantora de eleição TUUUUUUUUUU.... :)

    ResponderEliminar