11/12/2013

Terapias Expressivas: a Culpa

A culpa é um dos sentimentos mais nocivos que existe, já que se liga directamente ao passado e pode contaminar todos os nossos passos.

Segundo os primórdios da Psicanálise, a culpa vive na frustração criada pelo confronto da realidade com o Superego, ou as expectativas da sociedade, amigos e família contra aquilo que realmente acontece, muitas vezes afastado daquilo que os outros desejam. Por outro lado, seguindo a corrente humanista, a culpa verifica-se num desenvolvimento pessoal inadequado e, não sendo considerada como uma patologia, pode dar origem a uma série de sinais e sintomas, por isso deve ser tratada e gerida.

Alguns exemplos:

"Devia ter feito isto"

e

"Se eu me tivesse comportado [duma forma específica], [tal episódio] não tinha acontecido"

Este tipo de pensamentos remete para o passado e o sujeito obriga-se a assumir responsabilidades de algo que, muitas vezes, não lhe pertencem. Da mesma forma que não é possível controlar todas as variáveis dum acontecimento tornando-o completamente previsível, os comportamentos ou acções não definem o futuro. Assim, a culpa torna-se descabida em muitos dos casos, podendo gerar somatizações ou conduzindo até a uma depressão.

A verdade é que podemos ver sempre coisas úteis e positivas nos factos negativos, mesmo que na altura nos pareça o fim do Mundo e que tenham de passar anos até nos rirmos das desgraças. O maior segredo é falarmos sempre do que nos incomoda para que o possamos ultrapassar, concentrando no presente toda a nossa atenção, libertando-nos de culpas inerentes. Porque o tempo é o melhor aliado para a cura das feridas e é capaz das melhores maravilhas.

Falar é fácil! :)

5 comentários:

  1. "O tempo"...gostava de saber quanto tempo falta para o tempo passar...

    Plin* és sempre uma boa conselheira Raquel

    ResponderEliminar
  2. O tempo não passa, nós é que gostamos muito de o contar.

    ResponderEliminar
  3. Felizmente que não sinto culpa de nada, pelo menos neste momento...eu acho que tudo acontece por uma razão, o mais fácil é pensarmos assim, para não nos martirizarmos quando acontecem coisas menos boas. Há sempre uma resposta para tudo, pode não aparecer hoje, mas aparece.. Tentamos sempre fazer o que nos parece melhor e se é assim que agimos não há que haver culpas. :)

    ResponderEliminar