10/01/2014

#59 . Injustiça justificada

Eu tenho muita sorte.

Fui injusta com a Marta, porque na altura que a conheci ela pareceu algo que não é. Às vezes sou injusta e faço julgamentos precipitados, com base nas minhas experiências passadas e naquilo que penso que sei. É um erro normal e faz parte da condição humana. Mas felizmente a Marta provou-me o contrário e tem sido uma pessoa daquelas a manter por perto. E os amigos a sério também sabem reconhecer quando erraram, lamechices postas de parte.

Eu tenho mesmo muita sorte. Aliás, tenho a maior sorte de sempre, por ser rodeada de pessoas bonitas, por dentro e por fora.

3 comentários:

  1. O importante é reconhecermos os nossos erros :) * bom fim de semana princesa *

    ResponderEliminar
  2. Ainda bem que assim foi, Raquel. Infelizmente ainda não me enganei acerca das primeiras impressões de alguém. Com muita pena minha, acredita. :*

    ResponderEliminar