15/02/2014

#93 . Grande


Há uns tempos atrás ofereci este piano ao meu marido, um daqueles para tocar com os pés.
Lembra-me um filme que adoro, com uma das cenas mais hilariantes e queridas que recordo da minha infância (ver link aqui - desculpem a fraca qualidade, mas foi o que consegui). A história é de um rapaz que crescia do dia para a noite e que, com o tempo, conseguia demonstrar o valor que tinha em manter-se como uma criança de corpo e alma, um Peter Pan que se recusava a crescer. É a minha interpretação mais sincera e garanto-vos: cá em casa somos mesmo assim. :)

(e claro que a Badu quis participar imediatamente, mal pousei o piano no chão)

2 comentários:

  1. poderia não saber tocar, mas seria uma dança e tanto! :D (e um bocadinho de Peter Pan é bem necessário com tanto adulto enfadonho à nossa volta!)

    ResponderEliminar
  2. Não me lembraria de uma oferta tão divertida e sedutora, ao mesmo tempo.
    Sinceramente, acredito mesmo que a vida suporta mais sentido e é tão mais especial se preservarmos um qualquer Peter Pan. Seja qual for a inspiração.
    Entendo a Badu :)

    ResponderEliminar