25/02/2014

Escrever um livro


Dizem que é uma das realizações maiores, a par de plantar uma árvore ou ter um filho. Dizem que todos devem ter esse prazer, pelo menos uma vez na vida. E não há dúvidas: escrever um livro é uma tarefa muito gratificante. A questão é que é também uma tarefa muito difícil.

Há uns meses, decidi embarcar nesta "loucura". À semelhança daquilo que já fazia aqui pelo blog de contar pormenores da vida de amigos meus (para quem não conhece, ver os Remédios Caseiros), queria escrever pedaços da história de pessoas reais, tendo em conta alguns dos meus casos de psicologia, mas também pessoas que conheço, que passaram pela minha vida e que me inspiram. Em cada conto, queria dar-lhes um twist ou uma reviravolta especial, algo que os tornasse únicos e interessantes, com foco em algumas doenças ou estados psicológicos raros. E foi assim que criei as minhas personagens, uma dúzia delas, uma para cada mês do ano, tão diferentes e singulares como eu fui capaz de as imaginar e descrever.

Não é fácil escrever-se assim, pois passo muitas horas a pensar em detalhes específicos que tornem únicos os papéis que inventei. Pior do que isso, é perceber que cada uma das minhas personagens representa algo tão pessoal sobre mim mesma, algo que pensava guardar para mim. Por isso é tão complicado aceitar as opiniões dos outros. E perfeccionista como sou (e também muito crítica, principalmente comigo mesma), não queria dar a conhecer nenhuma das minhas histórias, sem antes ter a certeza de que iriam ser exactamente como eu queria. Houve alturas em que quis desistir e pensei que não seria capaz de terminar, mas, felizmente, conheci muita gente que me motivou a continuar a luta. Foi, por isso, um enorme alívio que senti quando terminei o processo de escrever o meu primeiro livro, quando finalmente percebi que não podia ser melhor, pelo menos para mim e naquele momento.




E, com isto, estamos no fim do mês de Fevereiro. Desde que acabei, mandei o meu livro a algumas pessoas importantes que queria que lessem e estou à espera da resposta, assim como da pessoa que desejo que me escreva o prefácio (e que vai ficar em segredo, mas só por enquanto). As ilustrações da querida e miserável Mariana estão também em processo de finalização e vou poder conhecê-las mais na próxima sexta e o livro está também nas mãos do Fred e dos meninos do We Blog You para dar os retoques precisos.

É isto. Estou a conter-me para não roer as unhas, mas não é fácil de gerir todo este nervosismo e expectativa. Esta espera é algo que está a dar cabo de mim, porque estou ansiosa por saber o que acham, porque é difícil passar a responsabilidade para outras pessoas e não poder controlar expectativas. Sou impaciente, estou farta de suspirar, bufar e hiperventilar, estou cansada de prever tragédias e desgraças. Mas, lá no fundo, tenho a certeza que vai correr tudo bem. Vai ser só mais um bocadinho e estará cá fora, pronto para todos os autógrafos que já tenho prometido.

13 comentários:

  1. Não me canso de ver o teu filme :D é tão giro e inspirador.

    ResponderEliminar
  2. Prometo que captura tudo o que eu sou de verdade ;)

    ResponderEliminar
  3. Eu estou super curiosa para ver o resultado final e mais ainda para o ler. Com pessoas tão talentosas envolvidas neste projecto, só pode mesmo ser um sucesso! ***

    ResponderEliminar
  4. É das coisinhas mais difíceis de controlar, as expectativas, essas malandras.

    E venham as 12 histórias cá para casa! vais tê-lo à venda em que lojas, já sabes? e online?

    ResponderEliminar
  5. Ainda não sei em que lojas terei à venda, mas sei que estará à venda online, na editora, versão "book on demand". :)

    ResponderEliminar
  6. Ansiosa por ver o produto final, quero muito ler! Continua assim! <3

    ResponderEliminar
  7. Como e a realizacao de um sonho e natural esse nervoso miudinho mas vais ver que vai correr tudo pelo melhor e todo o trabalho nao nao vai ser em vao.
    Dentro do meu coracao tambem tenho este desejo de escrever um diario de uma das minhas viagens mas como sou mto esquecida tera de ser durante a viagem. No final do ano sou capaz de embarcar para a aventura da america do sul sem tempo determinado e sinto que vai ser nessa altura que o diario vai ser uma realidade!
    forca raquel, es corajosa! Segue sempre os teus sonhos mesmo que dificeis, vais triunfar!

    ResponderEliminar
  8. Esse é um dos meus objectivos de vida, escrever um livro. Não precisa de ser publicado, mas gostava de ser capaz de o fazer.

    Muitos Parabéns Raquel e espero que tenhas tanto, mas tanto sucesso :)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  9. Raquel, tenho a certeza que, neste momento, quem tem o teu livro entre mãos está a babar e a pensar o quão talentosa és :) vou ser uma das pessoas a querer o teu autógrafo, sim? Por isso agenda uma data de lançamento para Lisboa :) Beijinho enorme*

    ResponderEliminar
  10. Eu, como pai, sinto-me orgulhoso da tarefa que decidiste fazer e de a teres terminado. Já fizeste algo que ainda não fiz. Quanto ao nervoso sabes bem que só aparece porque estás fora do tempo, ou seja, no futuro. Vem para o presente e desfruta do prazer do HOJE. Beijos filha linda

    ResponderEliminar
  11. As críticas serão, certamente, positivas :) não há dúvidas. Esse nervosismo e ansiedade também fazem parte, assim ainda vais dar mais valor quando tiver tudo prontinho :) não tenho dúvidas que será um sucesso, estou ansiosa para ver **

    ResponderEliminar
  12. (claro que sim Raquel, tenho a certeza que ele come carne, assim como eu..sou incapaz de fazer mal a um animal, mas é claro que os como, no entanto jamais os conseguiria matar com as minhas mãos. Não estou com isto a dizer que sou melhor ou pior pessoa que as outras é só um facto :P. E, contra mim falando, eu acho normal os animais irracionais comerem carne, agora nós sendo um pouco mais evoluídos e tendo outros meios, poderíamos não fazê-lo, mas pronto..um bem haja a quem não o faz :). Eu aproveitei foi o vídeo, para falar do meu amor por animais, mas em nada liguei aquilo ao vegetarianismo, expressei-me mal *)

    ResponderEliminar
  13. Entendo todo o relato de emoções várias que vai experienciado com a o aproximar da concretização de um projecto tão importante, quanto o lançamento de um livro. Que, na verdade, vai para lá disso. É um tanto da Raquel que vai deixá-la, passando a ser de quem se permitir ler. Compreendo, é certo, contudo, avance sem problemas. As opiniões valem o que valem. Se está no ponto, está feito :)

    ResponderEliminar