05/03/2014

[desculpas para escrever] Tentação

Estive um tempo a pensar se devia ou não mostrar este texto, que elaborei num grupo de amigas que tenho para fomentar a escrita criativa. No entanto, esta semana percebi finalmente que sou melhor com os meus erros.

Tenho-me debatido imenso com o tema. Não me posso queixar, eu sei, porque foi o tema que escolhi. Fi-lo precisamente por ser complicado, por não me encaixar tranquilamente, nem o conseguir descrever na perfeição. Não é um tema fácil por mexer em coisas sombrias que designámos ao capítulo dos segredos e com as quais tememos sujar as mãos. Mas eu gosto de desafios, pois tenho a certeza de daí irá surgir algo verdadeiramente positivo.
Este tema, para mim, exige contar um segredo. É que a minha tentação tem habitação guardada nas pessoas. Entusiasmo-me muito facilmente com quem conheço na vida, muitas vezes sem as conhecer verdadeiramente. Sou simpática, às vezes assustadoramente simpática. Gosto de perceber e albergar histórias, de experimentar vidas, adquiro pessoas como se sempre tivessem feito parte de mim. Desta forma, troco os grupos de amigos com a maior das facilidades, é a minha maneira de fugir das dores. Não suporto que ninguém me abandone e, por isso, sou a primeira a fazê-lo, da mesma maneira que sou a primeira a rir-me das minhas quedas. Às vezes, contrario a minha vertente simpática e sou má, mesmo muito má, especialmente com as pessoas que gosto muito. E prefiro estar sozinha do que me magoar. A minha tentação é de fugir de quem gosto, conhecer pessoas novas, começar tudo no início e deixar tudo a meio.
Sei que pareço tonta. Afinal, sou psicóloga e devia saber que não devo ser assim, que me firo mais a tentar evitar os trambolhões. Mas é uma tentação difícil de me desviar e, no meio de tantas outras, é o que mais me custa combater.


[E nunca esqueço por quem já passei.]

4 comentários:

  1. Raquel muito obrigada por seres assim. Por nos deixares entrar na tua vida, por nos permitires ter um bocadinho de ti. Mas lembra-te que não precisas de fugir de quem te magoa porque tens sempre à mão aqueles que te vão apoiar e ajudar a levantar. Fica, porque quem sabe não te poderás surpreender :) *

    ResponderEliminar
  2. gosto da forma como descreves as coisas: "adquiro pessoas como se sempre tivessem feito parte de mim". e identifico-me com essa parte do teu segredo. felizmente, nunca sofri a desilusão e deve ser por isso que não a receio. ou então afasto-me a tempo sem dar conta (ou sou eu essa desilusão, não sei...).

    ResponderEliminar
  3. Pois é querida filha. Como sabes para haver mágoas é preciso pelo menos dois ou duas (pessoas ou seres) logo, como sabes e já te disse, o melhor é não nos colocarmos em nenhum dos lugares, ou seja, o do que magoa e do que se sente magoado. Somos todos iguais logo como tal aceitemos a nossa vulnerabilidade de humanos e tenhamos compaixão (e já agora mãenoteto) . :) Beijos

    ResponderEliminar