22/05/2014

[UK Tour] Maravilhas do País de Gales

(sebe à porta do nosso B&B, The Old School)

No quarto dia, acordámos tarde e a más horas. Tínhamos decidido abrandar, ir com calma e aproveitar mais e melhor o tempo. Estávamos alojados num B&B de uma família tipicamente britânica, numa escola que foi recuperada para albergar novos hóspedes. Enquanto sentíamos o cheiro o café a despertar os sentidos, deixámos os restos da preguiça na cama e planeámos o nosso dia até Gales.

Uma vez em Herefordshire, estávamos mesmo ali ao lado de Gales e seria um desperdício se não aproveitássemos. Assim, decidimos rumar até Hay-on-Wye, a cidade que se situa na fronteira de Inglaterra e do País de Gales e que é conhecida como "capital dos livros em segunda mão", um verdadeiro paraíso para os adeptos da Bibliofilia. De facto, todo este sítio gira em volta dos livros, da imensidão de livrarias e das leituras em cada esquina, tornando-se, assim, o grande início para este nosso dia.



Tínhamos lido acerca de Brecon Beacons, uma reserva natural de beleza estonteante, montanhas altas e vales profundos, cascatas de cenários fabulosos, dignos dos postais mais bonitos, mas achávamos que não íamos ter tempo para correr tudo o que queríamos ver. Ainda assim, fomos até Brecon para almoçar e, como era mesmo ali que começava, resolvemos tentar a nossa sorte e fazer um percurso sugerido pelos mapas que angariámos, por uma das estradas mais bonitas do Mundo, que passava mesmo pelo meio da montanha até Abergavenny. Apesar de achar que foram um pouco exagerados com essa denominação, as paisagens eram mesmo o que precisávamos para aquele dia solarengo.




Algures, quando estávamos a procurar mapas, sugeriram-nos fazer uma estrada pequena até ao topo das Black Mountains, denominado por Hay Bluff. Estávamos com um pouco de medo das estradas apertadas, mas, tanto insistiram connosco, que decidimos seguir a dica. A rota era para começar por Hay-on-Wye até Abergavenny, mas, como estávamos cá em baixo, foi por aí que começámos. E se o silêncio fazia parte do nosso percurso anterior, aqui quase que se podia tocar, além do contacto mais sincero com a Natureza mais pura.






Sim, a estrada era estreita. Tão estreita, aliás, que às vezes até o nosso carro era difícil de passar, mas, ainda assim, tinha dois sentidos. Íamos devagar, muito lentamente com receio de qualquer risco no carro, mas também a aproveitar cada detalhe daquele refúgio. O rádio falhava, não havia sinal, por isso o único som que ouvíamos era das ovelhas, do vento, dos sentidos apurados para não nos escapar nada. E, ao chegar ao topo da montanha, foi isto que encontrámos.


Póneis galeses selvagens, mesmo no topo da montanha e em pleno contacto com os humanos. Não se assustavam com a nossa presença, muito pelo contrário. Ao tentar fotografá-los de perto, tive o instante mais mágico deste dia (e um dos instantes mais absolutos da minha vida), enquanto este cabeludo me olhava nos olhos e caminhava até mim, entre muitos clicks que foram dados. Um olhar intenso em segundos de um enorme respeito, tão incrível e único, como algo que vou recordar para sempre.

E assim era vista que os rodeava.

Assim ficámos longos minutos em que o vento não incomodava, em que parecia que o tempo havia parado para que sentíssemos tudo em carne viva. E foi tão bom, que as palavras não se justificam.

Ao final da tarde, de alma cheia e de volta ao nosso alojamento, decidimos parar em Hereford (que é como quem diz héráfór, em "bom" inglês), para ficarmos a conhecer um bocadinho da cidade que dá nome ao condado. É conhecida como o centro da herança da sidra, onde se faz, produz e comercializa, mas também uma cidade bonita, com uma catedral imponente e as ruas cheias de história.






Foi aqui que demos um passeio a pé e, como habitual, depois de todas as lojas fecharem, mas foi também aqui que jantámos antes de voltar para o B&B, num sítio maravilhoso e muito acolhedor.



E pronto. Mais um capítulo finalizado, mais uma história só para vocês. Dá vontade de voltar, de respirar aquele ar pausado. Não acham?

5 comentários:

  1. Cada vez mais tenho a certeza, esse povo sabe viver! :D

    ResponderEliminar
  2. Uau ... mais uma vez adorei as fotos! O countryside inglês é fantástico. Obrigada por partilhares. :)

    ResponderEliminar
  3. *suspiro* que paisagem maravilhosa! opá também querooo

    ResponderEliminar
  4. Que inveja da boa Raquel, fotografias mais lindas :D

    ResponderEliminar
  5. Tens aí cada foto, Raquel! :O Também adorava visitar o País de Gales, mais agora que nunca depois deste post. Também quero ir ver os póneis selvagens!! Aquelas fotos que tens próximas do focinho do pónei são absolutamente perfeitas. Parecem algo que veria na revista do National Geographic ou, no mínimo, nos temas do Bing para o Windows! :D Adorei!*

    www.joanofjuly.com

    ResponderEliminar