03/06/2014

[UK Tour] Fim-de-semana em Bristol

(Bristol)

Aviso: para aqueles que procuram viajar nestas imagens, fugir da rotina dos dias e visitar Bristol, aqui vos aviso que não é isso que vai acontecer. Esta semana, a viagem é puramente nos meus sentidos, nas lembranças que guardei dos dias chuvosos que esta cidade me dedicou.

Aqui me confesso: andava a fazer a contagem decrescente para estes dias, mesmo quando marquei esta ida a Inglaterra, muitos meses antes de a concretizar. A razão é simples. Tenho uma amiga-irmã com quem cresci, aprendi a dar os primeiros passos e partilhei pedaços de mim, que se mudou para Bristol há 7 anos e a quem eu nunca tinha feito uma visita. Entretanto, o tempo passou, ela teve um filho e voltou cá inúmeras vezes, fazendo sempre parte dos meus planos, mas eu nunca lá tinha ido. É condenável, eu sei. Mas a verdade é que havia sempre um novo plano que se metia à frente, uma viagem mais importante, outros caminhos a percorrer e esta ida ficava sempre adiada, indefinidamente. Assim, o dia começou com essa ideia a ecoar nos pensamentos:

"Vou finalmente visitar a minha Ana Rita". 

Traçámos um caminho para ir desde os arredores de Hereford, onde estávamos alojados, até Bristol, não esquecendo de incluir a Abadia de Tintern, um lugar bem mítico e que não podíamos excluir. Estas ruínas são aquilo que resta neste local galês banhado pelo Rio Wye e é dos sítios mais inebriantes que já vi, causador dos poemas mais românticos e das pinturas mais bonitas. Como o céu já estava a começar a fechar, as fotografias foram poucas, mas significativas.





Ao passar Chepstow, ainda em Gales, parámos só junto à Old Wye Bridge para a típica fotografia do castelo, mesmo antes de seguir para o nosso destino.


E, do outro lado da ponte, Bristol. Mais uma vez, ficámos alojados em Airbnb, desta feita em casa da Maggie, uma senhora muito simpática e já com experiência em albergar pessoas de várias nacionalidades e que, sem combinarmos, ficava mesmo a 5 minutos da casa da minha amiga de sempre.

Muitos sorrisos e abraços depois, almoçámos perto de casa e rumámos ao sol que queria fazer-se sentir, apesar do frio presente. Foi esta a altura em que me esqueci da câmera fotográfica e que decidi aproveitar o tempo junto dos meus amores ingleses, sem margem para memórias digitais, mas apenas para as do coração. Depois, fomos até beira rio e conhecemos esta parte da cidade, tão similar à imagem que temos do nosso Porto.


Mais tarde, tivemos direito a um jantar caseiro enquanto matávamos as saudades. E, deste primeiro dia, estes são os momentos que mais importam sublinhar.



No dia seguinte, a chuva estava tão torrencial que até impedia o olhar claro pela janela. Tínhamos decidido aproveitar o facto de ser domingo de Páscoa e combinado fazer o almoço típico inglês para os domingos, o belo do Sunday Roast, ou os assados que se servem nos pubs nesses dias. Os pubs são os lugares onde se encontram os amigos mais queridos e onde as conversas perdem os limites dos tempos, por isso era mesmo o que precisávamos para aquele domingo tão chuvoso.



Fomos a um dos sítios preferidos da minha amiga-irmã e comemos maravilhosamente, assim como dá para perceber pela fotografia. Chama-se The Farm (facebook aqui) e recomendo largamente a barriga de porco assada, que era de comer e chorar por mais. E, claro, o sumo natural de arando.

Depois, mesmo em frente do dito pub, existe uma horta/quinta comunitária, St Werburghs City Farm (site), um oásis verde mesmo no centro da cidade e que fomenta o conhecimento de várias espécies de animais, plantas, árvores e outros que tais. Aproveitámos uma altura em que não estivesse a chover torrencialmente e fomos lá dar uma volta, espreitar e conhecer um pouco mais da ideia que achámos genial, especialmente para os mais pequenos.





Logo a seguir, o frio voltou em força, assim como a chuva torrencial. Ainda tentámos dar uma volta de carro pela cidade, mas era tão difícil de sentir para além da chuva, que a melhor ideia foi mesmo de usufruir de uma bebida quente num sítio confortável. Fomos ao The Canteen, um bar/restaurante/café ou seja lá o que queiram chamar (site), que era um edifício deixado ao acaso em Bristol e que foi ocupado por uma comunidade artística que lhe deu bom uso. Focaram-se, desta forma, na actividade criativa, com música ao vivo gratuita e todos os dias, um palco para as artes locais e fundaram um espaço para conversar e conviver amenamente, com comida e coração caseiro. Naquela tarde, pegámos num jogo, no capuccino bem conhecido na zona e, de sorriso em punho, passámos o nosso tempo.



Bristol, como uma cidade tão artística que se define, é o lugar onde se encontram as maiores obras de arte urbana. Foi com essa ideia em mente que iniciámos a nossa busca pelos conhecidos graffitis de Bansky, o veterano artista de rua britânico nascido neste mesmo sítio, que tem sempre algo a dizer através das suas pinturas carregadas de mensagens sociais.


Assim se finaliza esta viagem pelos sentidos, com o título: fim-de-semana em Bristol. Podia dizer-vos que foi difícil de combater, com a chuva sempre presente e o ambiente sempre pesado. Mas não é verdade. Foram uns dias bem bonitos, na melhor das companhias. Podemos até nem ter muito que mostrar, mas a verdade é que trocámos sorrisos, fizemos promessas eternas, daquelas que sabemos que podemos cumprir, que já passámos a idade de não concretizar. E estes dias fizeram-me pensar que, se um dia tivesse de escolher uma outra cidade para viver, era Bristol a minha eleição.

5 comentários:

  1. Temo sempre repetir-me quando escrevo depois de ver as tuas fotografias e ler os teus apontamentos. Bem mais, quando são estes retratos e palavras tão fiéis à tua sensação das coisas. Gosto do teu ponto de vista, aqui representado em foto. Um passeio, longe do óbvio. Que, a bem da verdade, é o que interessa :)

    ResponderEliminar
  2. quero tannntttooooo ir a bristol, mergulhar nos edificios da cidade e curtir uma ganda festa de drum n bass (onde tudo começou)! por agora fiquei me por aqui, deliciada com estas fotos e com as tuas historias bonitas.

    ResponderEliminar
  3. Banksy <3 Às vezes até sabe bem albergarmos memórias que não foram captadas em fotografia :)
    Gostava muito de ir a Bristol, quanto mais não fosse por ser o berço do trip-hop! E aquela abadia, wow!

    ResponderEliminar
  4. Obrigada a todos pelas mensagens! Andei a debater-me comigo mesma a pensar se iria pôr aqui estas fotos ou não, mas felizmente decidi-me em partilhá-las e deu certo. :)*

    ResponderEliminar