09/07/2014

[UK Tour] Avebury

Quando decidimos ir a Inglaterra passar uns dias e quando decidimos a nossa rota, sabíamos que não podíamos deixar para trás o mítico lugar de Stonehenge, a magia dos dias de antigamente. No entanto, muitas eram as pessoas que sugeriam que eu mudasse de ideias, que Stonehenge já tinha sido revelado, que era uma máquina de dinheiro e que não havia nada a conhecer. Assim, aqui vos deixo com o segredo mais bem guardado das terras inglesas.

Sempre tive curiosidade pela cultura celta, pelo misticismo e império, pela magia. De certa forma, a ideia que me transmitem é da força e poder da Natureza, pelo respeito por essa energia vital. Denomino-me como uma pessoa que exige explicação de tudo e que gosto de saber o que há por detrás de algo que consideram místico ou esotérico. Preciso de entender qual é o fundamento científico por algo que não se entende, se existe algo que se possa materializar de forma substancial e que explique o que nos move em determinado sentido.


Talvez seja a minha vertente psicóloga, não sei, mas sei que fui sempre assim. Nasci numa família de mágicos (o meu pai é pai de santo) e durante muito tempo tinha de encontrar sentido para as coisas. Estudei muitas matérias, li muito sobre esses assuntos e fiz alguns cursos denominados como "estranhos". Uma coisa sobre mim que guardo em segredo é que estudei Astrologia, que quis entender o que havia atrás da matemática dos planetas, que queria perceber de que forma é que ele seriam capazes de nos moldar. E, de facto, é inquestionável a força da lua nas marés, o efeito que tem nas emoções das pessoas e na fisiologia das mulheres, sobretudo.

Por isso, se há algo esotérico que acredito é nisso, na energia e poder da Natureza sobre nós, naquilo que movimenta e fundamenta. Assim, muitos eram os meus interesses por visitar Stonehenge e conhecer mais daquilo que diziam ser um local mágico, detentor dos talentos mais simbólicos e espirituais.



Contudo, quanto mais lia e procurava pelo assunto, mais desencorajada ficava. Diziam que era "apenas um círculo de pedras", que estava inacessível havia muitos anos e que a única maneira de o ver era se pagasse 20 libras, seguisse em fila, em círculo a cerca de 50 metros de distância e por uma rota determinada, com a vantagem de ser acompanhada por grupos de chineses e coreanos que tiravam fotografias a cada 5 segundos. Eu não tenho nada contra chineses, mas, de facto, não é nada simpático ouvi-los nas mil fotografias. Tinha de arranjar outro plano.

Numa busca intensiva, encontrei algo que falava em Avebury, um sítio que diziam ter vários círculos de pedra e que não tinha perdido nada da sua magia. A decisão acabou por ficar para último plano e só resolvemos mesmo as nossas ideias já estávamos em viagem. Uma vez em Inglaterra, tive pessoas que me disseram que este era "o sítio" a visitar, que se podia caminhar por entre as pedras, que era um centro espiritual para o Paganismo, as Wiccas e os Druidas e que a magia se sentia quando respirássemos.



Chegámos lá num final de tarde, depois de termos estado em Bath durante o dia. Encontrámos uma pequena vila construída no meio do local, enquanto tudo fluía naturalmente. Não se pagava nada para entrar, era só usufruir. Não há nada de comercial, pois foi desencorajado que assim o fizessem, para que quem visitasse esse sítio conseguisse sentir aquilo que falavam.

É real, posso garantir. Como já disse, gosto de me certificar, de ter respostas plausíveis para tudo, mas uma coisa é verdade: há coisas que não têm explicação. Mal chegámos lá, parecia que o tempo tinha parado. Respirava-se paz, um respeito difícil de traduzir por palavras, a energia era quase palpável, não se ouvia vivalma e o silêncio fazia com que as emoções fossem naturais como o poder que se sente. Havia cabras crescidas e outras bebés, que se chegavam perto de nós e se deixavam ficar. O vento passava e cada lugar contava uma história, enquanto a pele se deixava na ponta dos pés.


É difícil de explicar. Estive muito tempo a tentar arranjar palavras para o fazer, porque tenho receio que elas se ocupem daquilo que é importante, por isso o meu conselho é para que, quem for para aqueles lados, por favor não deixe de visitar este sítio. É que se a magia existe, tenho a certeza que mora ali.


8 comentários:

  1. woooooow! estão lindas as fotografias. quero tanto mas tanto fazer esta UK Tour também

    <3

    ResponderEliminar
  2. Que fotografias mais bonitas :)

    Obrigada por partilhares este sítio maravilhoso connosco!

    ResponderEliminar
  3. Apesar de achar estas fotografias lindas o que eu mais gostei foi mesmo este texto! Identifiquei-me um bocadinho (grande) :)

    ResponderEliminar
  4. as fotografias ficaram mesmo fantásticas e acho que conseguiram transmitir um pouco da magia que falas.:)

    http://letrad.blogspot.pt/ - Another Lovely Blog!

    ResponderEliminar
  5. eu sou um pouco céptica e talvez por isso pouco receptiva a essa magia que muitos têm o prazer de sentir em determinados lugares/circunstâncias... mas gostava muito de ir aí, quanto mais não fosse pelas tonalidades de verde e pelo gado caprino!

    ResponderEliminar
  6. Obrigada a todas pelos comentários tão generosos! ;)

    ResponderEliminar
  7. aiiii tenho que ir ali! Queria muito ir a Stonehenge.. Mas assim sendo... prefiro respirar magia e ouvir o silêncio! :)
    Raquel...sempre uma inspiração!

    <3 beijo daqui aí!

    ResponderEliminar
  8. Mariana: não percas mesmo este sítio! Esquece Stonehenge, dedica-te a isto ;)

    ResponderEliminar