19/08/2014

Tempos analógicos

Já aqui havia referido que tenho andado com a minha máquina analógica atrás, na esperança de retratar os meus momentos e evoluir nesta arte fotográfica. Na verdade, andava há tempo demais a dizer que o ia fazer e depois nunca chegava a arriscar, por isso resolvi-me e, ainda que a preguiça vença muitas vezes, tenho tentado voltar sempre com vontade. E não há nada como uma visão analógica, que torna tudo tão mais bonito!

Este rolo começou na ida do 12 até Lisboa e decidi tirar umas fotografias pelo Lx Factory, incluindo do meu Pedro e da Livraria Ler Devagar, para me passar os nervos que se faziam sentir antes da apresentação.



Todos os sábados Há Brunch no Breyner, feito por uma amiga que cozinha lindamente. Assim como nós aqui em casa, o nosso grupo de amigos gosta muito de brunchs, pois podemos acordar tarde, arriscar em pecados e misturar doces e salgados a horas indecentes. Além disso, adoramos estar todos juntos à mesa, a conversar e, os Petiscos e Miminhos da Ana são mais uma oportunidade de estarmos com os amigos e sorrir. Por isso mesmo, levei também a máquina para um desses sábados e fotografei os meus doces amigos.




O mês de Julho foi preenchido em eventos, mas não consegui fotografar tanto como gostaria. A analógica tem este defeito de me exigir um perfeccionismo que me faz pensar muito mais do que concretizo, por ser um processo de revelação caro e não ser para todos os dias. Desta forma, pode ser algo frustrante e determinar-me os movimentos. Ainda assim, apanhei o Fred nos anos dele e o bolo de aniversário do We Blog You.


Estava tão impaciente para revelar este rolo, que acabei por gastar os últimos cartuxos aqui pela zona, a fotografar as ruas por onde passo todos os dias.





Eu sei, parece pouco e tenho de arriscar mais. Nem sempre consigo e sei que tenho de arranjar mais tempo para a fotografia na minha vida, já que é algo que muita gente me tem falado para investir mais nos últimos tempos. Por isso mesmo, vou levar a máquina analógica comigo de férias e com rolos especiais para o Alentejo que nos espera. E já falta pouco para as férias! :)

4 comentários:

  1. Tens mesmo de arriscar mais porque não há amor como o analógico... E mal abri este post senti logo umas formiguinhas no estômago. As fotografias ficam logo com outro encanto e, acredita, fotografias de férias merecem ser em analógico. Paisagens verdes de campo ou azuis de praia, com luz natural, com as cores todas acentuadas e sorrisos na cara? Pffff, é o melhor para o analógico!!! Fotografa muuuuuuito!

    ResponderEliminar
  2. Fotos mais que bonitas, Raquel! Não acho que seja tão pouco assim, pois afinal de contas estamos a falar de fotografia analógica. Acho que as fotos ficaram muito bonitas e muito bem tiradas, pequenos tesouros que tens aqui :)

    ResponderEliminar
  3. Verdade Raquel, torna tudo mais bonito, sem efeitos especiais. Gosto :)

    ResponderEliminar
  4. Para mim, é atenção e sensações em cada fotografia que partilhas neste post. Prefiro, tantas vezes, uma fotografia analógica. Pela demora, pela procura exacta de um pormenor e do enquadramento. E por tanto mais.
    Merece-te toda a atenção, não a percas de vista. E investe. O tempo, se não for aproveitado, fia-se e desliga-nos do que realmente nos interessa! Um beijo.

    ResponderEliminar