03/12/2014

Em casa de amigo, serás sempre bem recebido #4 . O Blog do Desassossego

Como sabem desse lado, comecei a escrever através dos diários que me acompanhavam na adolescência. É engraçado que esses cadernos ainda permaneçam com o nome de diários na minha memória, pois, convenhamos, não era bem o caso, não documentava muito, apenas me limitava a escrever queixas e a planear sonhos.

Nessa altura, lembro-me que escrevia muito mais quando estava triste e quando me dava para desabafar dos medos que me atingiam, daquilo que não conseguia fazer e do que queria alcançar para a minha vida. No entanto, quando me apercebi que a minha disciplina para escrever acontecia apenas quando estava mais cabisbaixa e quis contrariar esse feito, foi igualmente quando descobri o mundo dos blogs, no boom da internet e dos desabafos escritos online.


Era mesmo assim que se tratavam os assuntos, como se se revelasse uma parte dum diário pessoal, onde éramos capazes de contar as coisas do nosso dia, mas também de sussurrarmos segredos que julgávamos ninguém saber. E, nessa altura, rapidamente esquecíamos da eternidade dos assuntos da internet. Para além da sedução natural de ler os diários das outras pessoas, a verdade é que a facilidade com que se escrevia online me atraiu permanentemente. Era rápido, não havia dificuldade nenhuma e, como fazia nos cadernos que chamava de diários, era a minha maneira de exorcizar demónios.

Desta forma, o "mundo dos blogs" da altura não era o que é hoje. Eram poucos os que se conheciam, mas havia todo um grupo de pessoas que gostava de seguir. É o caso d' O Blog do Desassossego, ou melhor, é o caso da Leididi, a autora deste mesmo blog. Sigo aquilo que escreve há mais tempo do que aquele que me é permitido contar, já que os anos são muitos e eu não sou boa com datas, pelo menos não com estas. Mas a verdade é que me lembro bem daquilo que dizia, das palavras que tecia, dos comentários que, muitas vezes, perdia horas a ler e a reler, que me faziam rir alto e pensar que, se nos conhecêssemos pessoalmente, de certeza que seríamos boas amigas.

Agora que vejo isso, talvez a Leididi não seja para todos os gostos. Diz aquilo que lhe apetece, com palavras proibidas e incluídas na sua escrita, sem problema nenhum, mas vocês sabem o quanto gosto de pessoas sem papas na língua e, por isso, às vezes sinto que ela escreveu exactamente aquilo que eu pensei sobre o assunto. Lembro-me também da altura em que ela tinha um blog com amigas, que contavam histórias sobre a vida independente das mulheres de 20 anos, com assuntos sérios e outros assim-assim, mas que sinceramente me prendiam ao ecrã a ler desenfreadamente e a sonhar em ser uma rapariga solteira de 20 anos, sem me prender a ninguém a não ser os meus amigos, exactamente como elas.

Hoje, a Leididi continua com O Blog do Desassossego. Para quem não o conhece, este é um da velha guarda [se ela vê isto, mata-me por chamá-la de velha]. Passo a explicar: O Blog do Desassossego é daqueles blogs em que a autora é anónima, não mostra a cara e não faz mal, porque aquilo que diz é suficiente para a conhecermos um pouco. Privilegia a escrita, mais do que as imagens que mostra. Diz aquilo que lhe apetece e tem a escrita directamente ligada ao seu coração, ao seu pensamento. Mais uma vez, fala de assuntos sérios e outros que nem tanto, mas sempre duma maneira cuidada e que nos faz pensar. Para não falar dos gostos musicais, que são impecáveis. E hoje, já casada e com uma filha, não perdeu em nada daquilo que tinha com 20 anos. 

Não é segredo nenhum: já gosto de blogs há muito, muito tempo. Admiro algumas pessoas que não conheço e, duma maneira nada assustadora (prometo), sinto que elas fazem parte da minha vida e da pessoa que sou, influenciando-me directamente na minha forma de ser. Da Leididi, gosto da sua maneira de ser frontal, do seu sentido de justiça e do seu humor, e sou capaz de passar horas a lê-la e a desejar ser um bocadinho como ela. E, só por isso, vale a pena.

3 comentários:

  1. Tambem adoro este blog, normalmente nem consigo comentar pois fico sem palavras. Quanto ao diario quando eramos miudas, tambem tinha sempre um e na maioria das vezes tb era para escrever desabafos ou momentos menos bons. Ao le los farto me de rir com a quantidade de vezes que me apaixonava, muitas vezes por 3 rapazes ao mesmo tempo! Quem disse que a vida de crianca e facil? Ai ai. Entrei no mundo dos blogs em 2006 e sim, muita mudanca ate aos dias de hoje. Os blogs que eram mais comerciais serviam para mostrar trabalhos manuais, hoje em dia organizam se por temas e aqueles blogs com mais leitores podem vender publicidade. Nao sou nada contra o fazerem mas tenho saudades da blogosfera de ha 8 anos, em que os bloggers diziam aquilo que lhes vinha a gana, sem receios do que os leitores gostam de ler.

    ResponderEliminar
  2. Reconheço num tanto das tuas palavras. Pelo prazer que retiro de alguns blogues. Das leituras que nunca me fadigam. Das palavras que nunca são demais. São excepções, é certo. Mas acontecem. E, nesses casos, voltamos aquele lugar vezes sem conta.
    Agrada-me, do que tive oportunidade de ver, a linguagem e a personalidade que desenha este blogue. Obrigado pela partilha.
    Um beijo! :)

    ResponderEliminar