06/01/2015

[desculpas para escrever] Sim

Dizer sim. 
Afirmar, acolher, aceitar. Começar.
Seguir um determinado caminho, mesmo se não o tivermos escolhido determinantemente. 
Decidir, eleger, definir. 
Agir. 
Ficar calado, pois quem cala consente. 
Admitir, conceder, deixar. 
Presenciar, estar. 
Ser.

Mais do que uma simples palavra, o sim atribui muitos outros significados. Sinónimo de acção, muitas são as histórias que cabem dentro de um sim, já que, a partir dele, existe sempre um começo (ou recomeço) de algo. Já repararam que todas as grandes histórias de amor se iniciam com um sim apaixonado, com a música a elevar-se, com a magia no ar? É a confirmação de que tudo se irá cumprir, é o sinal infindo da felicidade para sempre.

Mas nem todos os sins são positivos. Existem uns que, mesmo sabendo que nos irão fazer bem no futuro, se entalam num soluço e preferem ficar presos na garganta. Há sins que dizemos por dizer, há sins que não sentimos, mas que sabemos que são bons de ouvir. Há sins que nos prejudicam, há sins que nos metem em trabalhos. Há sins que era preferível que fossem nãos. Há sins que doem como carne viva, pois todas as partículas do nosso ser querem dizer que não, que não é possível, que não queremos, que não conseguimos. Que não.

Não é segredo para ninguém que sou uma mulher de palavras. Gosto delas, dos seus significados. Gosto de repeti-las na minha cabeça até sentir que as perdi no tempo e no espaço, que deixaram de fazer sentido para mim. Acima de tudo, gosto de ouvi-las a vibrar dentro de mim, do som que fazem em cada um dos meus átomos, daquilo que me fazem viver. E o sim é mesmo das minhas palavras favoritas, por tudo aquilo que me lembra e que me faz constatar.

Para mim, o sim que mais me toca é aquele que não é audível, é aquele que se sente antes de ter matéria sonora. É aquele que nos põe a pele na ponta dos pés, que arrepia a alma, que provoca faíscas, que é capaz de nos criar uma história antes dela existir. É aquele que nos enche de certezas, que carrega o coração de batimentos certeiros, que diz exactamente aquilo que precisamos de ouvir, na hora certa, no momento ideal. É aquele que nos segreda ao ouvido que, seja o que for, estamos no caminho certo. É aquele que nos conta que tudo valerá a pena.

Sim. Uma palavra tão pequena, capaz de guardar tantas histórias e tantos significados. E, quando não souber o que dizer, serei corajosa para arriscar com um sim.

P.S. Para a próxima semana, desafio-vos a que escrevam sobre um momento embaraçoso vosso. Contem-me uma história ou falem-me duma pessoa, real ou imaginada. :)

1 comentário:

  1. já comecei - embora atrasada - o meu projeto do #desculpasparaescrever lá no blogue
    inclusive criei um tumblr específico para publicar as minhas desculpas e escrever sem desculpas.
    Obrigada, Raquel, por mais um projeto que nos incentiva a fazer o bem! <3

    tumblr: http://cronicasdeumacashier.tumblr.com/
    blog: https://cronicasdeumacashier.wordpress.com/2015/01/21/desculpas-para-escrever-sim/

    ResponderEliminar