02/02/2015

O 12 no Mercado dos Santos ou como eu também sei falar de amor

Já aqui vos disse várias vezes: não tenho jeito para falar de amor. Não gosto de ser lamechas e é-me mesmo muito complicado de falar de coisas do coração, apenas porque não querer perder tempo com isso. Prefiro senti-las do que contá-las.
No entanto, há uns dias cedi ao pedido da Marisa do Mercado dos Santos que me incitou a escrever sobre amor e percebi que não sou a única a ter destes problemas. Decidi contar um pouco das minhas histórias, desabafei o que me fazia não gostar de falar de amor e, depois de abrir o meu coração, entendi que não estou sozinha quando digo que o amor é simples, tão descomplicado que é difícil de arranjar palavras sobre ele. 

Confesso: fiquei a pensar nisto, matutei sobre o amor. Lembrei-me do meu 12 e duma das primeiras coisas que disse sobre as minhas histórias e aquilo que gostava de escrever. Não queria que todas as histórias acabassem bem, porque queria que elas fossem reais e sabia que nem todas as realidades se finalizam no "e viveram felizes para sempre". Queria que as pessoas que o lessem se confrontassem também com os medos que sentem, com as verdades que ninguém diz, com as coisas que se limitam apenas ao sentir. Queria que as minhas personagens se assemelhassem à realidade, pois cada uma delas iria trazer essa autenticidade que sabia ser característica principal de cada uma das histórias. Queria que cada uma das minhas 12 pessoas sentisse o amor, mesmo que ele fosse duma forma estranha ou absurda, mesmo que ele as obrigasse a ver a vida do avesso, porque assim é que era sentido da sua maneira mais absoluta.

Foi assim que pensei que seria uma boa forma de apresentar o meu 12 novamente, quase um ano depois de ver a luz do dia. A Marisa falou-me novamente de ir falar sobre ele ao Mercado dos Santos e eu não podia ficar mais feliz com este convite, porque sei que tem tudo a ver também com o meu caminho.


Para quem não o conhece, o Mercado dos Santos é um mercado de cariz voluntário e solidário, que tem como objectivo apoiar famílias carecentes e causas que exijam atenção. Nestes eventos, angariam-se algum dinheiro para estas causas, tanto no aluguer de espaços para bancas, como na venda das peças doadas à banca solidária, mas também na colheita e na distribuição de roupa ou alimentos doados às famílias. Para além disso, têm também um lugar focado na doação de sangue ou de medula, pois também abraçam casos de pessoas que, ao invés de precisarem de ajuda monetária, necessitam de um dador compatível. 

São várias as oportunidades de ajudar neste Mercado. Assim, no próximo dia 8 (domingo) é a edição de Amor do Mercado dos Santos, onde vamos estar a falar de amor e coisas que tais, mas também a celebrar mais um dia solidário. Às 17h30 vou estar lá a apresentar o meu 12 (e os seus amores) e convido-vos a todos para que vão lá, participem do evento e ajudem quem merece com aquilo e puderem. Levem peças de roupa que já não usem ou bens alimentares e façamos a diferença naquelas famílias que tanto precisam. É que o amor também é isto.

Então, dia 8, falamos de amor? :)

Sem comentários:

Enviar um comentário