14/04/2015

[San Francisco] Leões marinhos, estradas tortas e mundos diferentes

O terceiro dia da nossa viagem começou encoberto e com algum vento mais frio à mistura, típico para os dias de Inverno de San Francisco.


É preciso ter em conta que, uma vez por aquelas bandas, as estações não dizem muito, já que a temperatura média está sempre entre os 20º e distinguem-se apenas pelo Inverno mais húmido e o Verão mais seco. É, portanto, a cidade perfeita para quem gosta de temperaturas amenas.

Tínhamos lido que a zona do Pier 39 tinha sido desenhada para o turismo e, por isso, tínhamos riscado dos nossos planos, pois preferimos viagens em que possamos ser locais por aqueles dias em que visitamos o lugar. No entanto, por indicação do nosso recepcionista do hotel, o magnífico Darren que eu queria adoptar como amigo, decidimos ir lá para conhecermos os leões marinhos, vermos a cidade de cá de baixo, observarmos Alcatraz à distância e provarmos um Pho (espécie de sopa vietnamita) que ele garantia ser dos melhores que já havia provado.



Ficámos a saber que estes leões marinhos haviam aparecido nesta baía há 25 anos e, desde então, nunca mais quiseram sair. E apesar do Pier 39 parecer uma pequena Disneyland que não quisemos fotografar, os leões marinhos eram simpáticos, o dia encoberto não nos permitia ver a cidade, apenas uma sombra de Alcatraz, mas o Pho foi, realmente, um dos melhores da minha vida. E eu já estive no Vietnam.




Já aqui referi que San Francisco é a cidade dos declives, das subidas e descidas vertiginosas. Por isso mesmo, os eléctricos pertencem à memória que as pessoas têm daquela cidade e são dos transportes mais usados. Actualmente, são, na sua maioria, dirigidos aos turistas e foi assim que, depois do nosso Pho maravilhoso, decidimos subir até a Crooked Street, a rua mais torta e conhecida do Mundo. Com o seu chão tingido de vermelho, divide-se entre curvas e contracurvas, para chegar ao seu destino. E, no meio de personagens interessantes, vimos uma rua que nos fez sorrir.




Continuámos o nosso caminho sem nunca esquecer de anotar os detalhes. Esta é uma cidade que vive nos detalhes, nas ruas bonitas que só se conhecem a pé e casas ainda mais bonitas que nos fizeram suspirar.



Assim chegámos a Little Italy, uma zona pequena e muito peculiar, mesmo ao lado do Finantial District. Todas as ruas deste lado italiano eram pintadas com as cores da bandeira, seja nos postes ou em pequenos pormenores à volta das montras. Muitas eram as casas de shows nocturnos, por isso, àquela hora da tarde, tudo começava a funcionar lentamente.




Já na fronteira entre Little Italy e Chinatown, do lado asiático, encontrámos uma das livrarias mais antigas, uma referência para aqueles que vivem ou visitam a cidade. Especializada em literatura de todo o Mundo, artes e políticas progressivas, foi fundada em 1953 e, hoje, encontra-se como uma figura história de San Francisco.

Em seguida, seguimos até Chinatown. E entrámos num mundo diferente.




Aqueles que dizem que parece que mudámos de país são certeiros. De repente, tudo é chinês e sentimo-nos mesmo num outro mundo, distante daquele que havíamos entrado. Todas as ruas são distintas e, em qualquer lado, só se ouve uma língua desconhecida.





Já deu para reparar que não me consegui conter com as fotografias. Mas olhava para um lugar e tinha de o guardar na minha memória, por isso tirei muitas fotografias. E acreditem em mim: muito há ainda por ver aqui.


Assim acabámos o nosso dia, já com saudades daquilo que San Francisco nos fazia sentir. Uma cidade com dias tão diferentes e, duma maneira difícil de explicar, tão conhecidos para nós. Tão bonitos como aquilo que havíamos imaginado que seriam.

P.S. Para a semana há mais suspiros com San Francisco. Fiquem por aí. :)

3 comentários:

  1. Que fotos e descrição apetitosas! :) É tão bom viajar, não é? Parece que nos refresca a alma. :)

    ResponderEliminar
  2. tive a sorte de ir a são francisco no verão passado e é a cidade mais bonita dos estados unidos em que já estive! apaixonei-me mesmo :) isto traz-me memórias, quero tanto voltar lá!

    ResponderEliminar