02/07/2015

Terapias Expressivas: o Segredo da Felicidade

É uma das perguntas que mais exige resposta. Mas afinal, qual é o segredo da felicidade?


Muitas vezes pensamos na felicidade como uma fórmula mágica, como um objecto táctil, algo que temos que encontrar e guardar no bolso. No entanto, Dalai Lama, como um dos homens mais felizes do Mundo, diz algo muito interessante sobre o tema:

"A felicidade não é algo pronto. É feita das suas próprias acções."

É, no fundo, a aventura pessoal de cada um e existem muitos estudos que comprovam que as pessoas mais felizes são aquelas que procuram significado, para além da gratificação imediata ou do prazer. Da mesma forma, segundo os estudos de Maslow e a sua pirâmide das necessidades, para encontrarmos a realização pessoal (o mais alto dos desejos), precisamos de desvendar cada uma das nossas expectativas, ambições, sonhos e ideias, e depois adequar as nossas acções com os ideais que nos movem. Por outro lado, Albert Camus pergunta:

"O que é a felicidade além da simples harmonia entre o homem e a vida que ele leva?"

A perfeição não interessa, pois nenhuma vida é perfeitamente feliz, já que mesmo as vidas mais felizes e cheias de histórias são coloridas de ondas de dor e tristeza. Assim, mais do que procurarmos a felicidade eterna, devemos tentar atingir o "estar de bem com a vida". O bem-estar é, assim, maior do que o sentimento de felicidade, pois apela a questões pessoais e sociais, relacionamentos positivos e sentido de propósito na vida. Este sentimento é também mais presente em pessoas que sustentam emoções positivas, recuperam mais rapidamente de experiências, comprometem-se com actos mais empáticos e altruístas e exprimem níveis altos de atenção (meditação ou mindfulness).

Duma forma geral, existem alguns truques que podemos utilizar para melhorar a forma de estarmos na vida:

1. Praticar a Generosidade

A generosidade acontece quando desempenhamos uma acção para alguém e somos sensíveis àquilo que esse mesmo alguém necessita e quer. Desta forma, este sentimento envolve darmos algo de nós mesmos, sairmos da nossa pele e do mundo que nos rodeia, para satisfazermos os outros. Mas desenganem-se aqueles que acham que a generosidade é só para o bem-estar dos outros, já que ela é valiosa também para a nossa saúde física e mental, reduz o stress, combate a depressão, realça o sentido de propósito e pode até prolongar a vida.

2. Promover a Resiliência

A resiliência é a habilidade inata de perseverar quando há dificuldades no nosso caminho e enfrentar os desafios que a vida nos lança, ao invés de nos escondermos ou sentirmos derrotados. A pessoa resiliente reconhece o seu poder (aquilo que tem de bom), aceita a realidade tal como ela é, vê o potencial de mudança da situação e como alcançar os seus objectivos. É ser adulto, ser robusto, não só para sobreviver, mas para viver e prosperar nos momentos menos bons. Para além disso, a robustez aumenta a nossa performance, a capacidade de liderança, a nossa conduta, o vigor, o humor e a nossa saúde mental e física.

3. Treinar a Atenção

Acima de tudo, estar atento traduz o ser/estar presente, para colocarmos o foco onde queremos. Situa-nos numa posição receptiva, ao contrário da normal reactiva e, neste caso, a medicação ou mindfulness pode ser muito útil, já que nos ajuda a desenvolver a nossa capacidade de focarmos a atenção e cultivarmos o nosso sentido de presença. Ao centrarmo-nos no Presente e ao experimentarmos em pleno todos os detalhes da nossa vida, somos capazes de realçar aquilo que precisa de atenção e nos passos para atingirmos os nossos objectivos a longo prazo. Os benefícios da meditação são, então, muito conhecidos, como a diminuição do stress e do cansaço, o aumento do bem-estar psicológico, da auto-estima e da qualidade de vida.

4. Exercer a Gentileza

Todos nós somos melhores quando acreditamos na nossa bondade fundamental e daqueles que nos rodeiam, já que sentimos menos agressão e experimentamos menor violência. Podemos designar a gentileza também como a nossa capacidade de sentirmos compaixão, ou seja, o reconhecimento que o sofrimento é parte da experiência humana e que é normal de acontecer a qualquer pessoa. É ao acreditarmos que somos bons que nos tornamos melhores.

5. Diferenciar

Em último lugar, vem a dica mais importante para estar de bem com a vida: aceitarmos que somos diferentes. Existem muitas atitudes destrutivas que foram dirigidas até nós e que, por uma outra razão, interiorizámos e espelhamos diariamente nos nossos sentimentos, na maneira como vemos ou lidamos com o Mundo. Por isso mesmo, é necessário que nos separemos dessas atitudes, que nos distanciemos dos traços negativos que carregamos e que nos libertemos de defesas antigas que construímos.

O objectivo da diferenciação é de descobrirmos quem somos na verdade, aquilo que queremos e desejamos, e desligarmo-nos das pressões sociais e familiares que nos impedem de sermos quem somos. E esta diferenciação pode parecer algo egoísta, mas a verdade é que ao sermos realmente felizes e plenos, ao nos sentirmos bem connosco mesmos, podemos ser de maior valor para os outros.

De facto, não existem fórmulas mágicas quando o assunto é o alcance da felicidade. No entanto, estas são as dicas que vos sugiro caso queiram arriscar em serem felizes-para-sempre. E garanto: valem a pena. :)

1 comentário:

  1. . sim não existem formulas para alcançarmos a Felicidade mas sinto-me sempre muito feliz quando leio o que tu escreves Raquel Caldevilla​. :)

    ResponderEliminar