08/04/2016

[bookworm] The Psychopath Test

Algures no final do ano passado, prometi a mim mesma que iria voltar a ler mais, desta vez em inglês. Era um exercício para treinar a minha segunda língua, mas também para experimentar mais livros e saboreá-los nas palavras que os escolheram, na língua materna dos que os escreveram. As traduções perdem significados pelo caminho e eu não quero perder pitada.

Confesso que o facto de ter descoberto as facilidades do Book Depository também ajudou e rapidamente dei por mim a fazer wishlists intermináveis de livros que espero que venham a fazer parte da minha mesa de cabeceira. Por outras palavras, estava o caldo entornado.

Porém, o caso deste livro foi diferente. Comprei-o no aeroporto, quando voltava duma viagem de visita à minha querida amiga-irmã, mesmo no final do ano passado. Estava a acabar de ler sobre um ano de perda e solidão, precisava de algo para me ocupar as noites. Talvez tenha sido por defeito de profissão, mas chamou-me a atenção o título e quis saber mais sobre este assunto aparentemente tão interessante (e algo assustador).

Jon Ronson nasceu no País de Gales, mais especificamente em Cardiff, e é jornalista, autor, humorista e documentarista. É o autor do livro "The Men Who Stare At Goats", que inspirou o filme de 2009 com o mesmo nome, um relato da sua investigação sobre tentativas das forças militares dos EUA de usarem poderes psíquicos. Conclui-se, assim, como uma comédia, mas é a narração de uma averiguação real do próprio autor.

Neste livro "The Psychopath Test", o seu quinto, o autor leva-nos numa viagem ao mundo doença mental e do comportamento psicopata, do poder que a loucura tem na vida das pessoas. É, mais uma vez, uma aventura real daquilo que viveu, enquanto procurava respostas para questões que lhe surgiram depois de receber um livro anónimo cheio de mensagens crípticas que não consegue decifrar. No decorrer das páginas, encontramo-nos com os psicopatas que cometem assassinatos, mas também com aqueles que estão em cargos imponentes na política ou em direcções de empresas. É um retrato algo perturbador, pois leva-nos a questionar não só aqueles que nos rodeiam, mas também aqueles que estão lá em cima e que governam o nosso mundo. E, sem dúvida, deixa-nos com um sabor amargo na boca, um gosto a loucura.

Agora que passaram alguns meses desde que acabei este livro, posso dizer-vos que, apesar de me ter deixado um pouco desconfiada e com a nítida sensação que o autor tinha um ou dois parafusos a menos, gostei de viajar por aqui. Fez-me pensar mais sobre este assunto, duma forma mais light e descomplicada. E, só por isso, já valeu a pena.

P.S. Andei demasiado tempo com estas reviews de livros aqui guardadas, pelo que na próxima semana vão ter mais opiniões a ditar. Ou seja, boas notícias para aqueles que gostam de me "ouvir" falar destas aventuras na leitura. ;)

4 comentários:

  1. Fiquei curiosa, parece interessante!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É interessante sim, mas acho que tem a ver com o facto de me interessar tanto pelas coisas da mente e pelas razões que nos levam a termos determinados comportamentos. Foi isso que me motivou a ler e foi por isso que gostei. Mas se o leres, diz-me o que achas. :)

      Eliminar
  2. Estou a estrear-me na literatura em inglês, com o "Wonder" da R. J. Palacio, e estou a adorar. E sim, o Book Depository é um problema :p aguardo as tuas próximas reviews!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa foi também a minha primeira aventura literária em inglês e já escrevi a minha review por aqui. :) *

      Eliminar